Parintinenses realizam manifesto contra a reforma da Previdência

107

 O movimento popular teve concentração na Praça da Catedral de Nossa Senhora do Carmo e em seguida saíram às ruas do centro da cidade, enunciando frases de protesto

 

Gilson Almeida | CNA7
[email protected]

Parintins (AM) – Parintinenses se reuniram para um manifesto contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 06/19) que trata da reforma da Previdência, asserção do governo Bolsonaro. O movimento popular realizado nesta sexta-feira, 22, às 17h, com concentração na Praça da Catedral de Nossa Senhora do Carmo, localizada na Av. Amazonas, Centro, foi organizado pelo Comitê Popular Contra a Reforma da Previdência.

A ação contou com carro equipado com caixa de som e microfone e cada participante pôde defender seus motivos de ser contra a reforma da Previdência. De acordo com os manifestantes, o protesto é devido a PEC 06/2019 ser um projeto do governo que retira direitos do trabalhador e favorece bancos e grandes investidores.

Participaram do protesto professores, estudantes, trabalhadores autônomos, médicos veterinários, assistentes sociais e aposentados de diversas categorias, segurando cartazes, distribuindo panfletos e dizendo frases de protesto como “Oh Bolsonaro, você vai ver. Eu não vou trabalhar até morrer”.

Segundo o membro do comitê, Gustavo Passaneli, 41, o local de concentração foi escolhido devido a sua localização central e onde se trafega uma quantidade significativa de pessoas. “Hoje é o Dia Nacional de Luta e Mobilização Contra a Reforma da Previdência. É o dia de nós conscientizarmos os trabalhadores e aqueles que ainda não entraram no mercado de trabalho das consequências perigosas dessa PEC 06/19 do governo Bolsonaro”, disse Gustavo.

O estudante Alex Eduardo Barbosa, 18, relata que após absorver as informações sobre a PEC 06/19 se sentiu prejudicado caso a reforma ocorra e a partir disso decidiu participar do ato democrático. “Eu decidi vir pra rua, porque é um projeto que prejudica a juventude, um projeto totalmente absurdo, prejudica a mulher, o trabalhador de modo geral”, conta o estudante.

Da Praça da Catedral os manifestantes caminharam pela Av. Amazonas e rua Jonathas Pedrosa, encerrando na Praça da Liberdade, localizada na Av. Nações Unidas, Centro.

Protesto contra a reforma da Previdência, em Parintins. Foto: Gilson Almeida.