Artistas de Parintins, Manaus, São Paulo, Bahia e Venezuela celebram Grito da Periferia

446

Foram dois dias de expressiva manifestação artística e cultural na Praça Cristo Redentor, em Parintins. O Grito da Periferia 2019 “Cultura e Liberdade”, realizado neste final de semana (12 e 13), contou com artistas de Parintins, Manaus, Bahia, São Paulo e Venezuela, num evento que mostrou a força e a diversidade que a cultura parintinense tem.

Exposições artísticas, bandas musicais, performances solo, concurso de dança, oficina, teatro e demais atrações surpreenderam o público, que lotou a praça. A grande particularidade do Grito da Periferia é a diversidade de expressões artísticas da cidade. O evento é uma realização do Instituto Cultural Ajuri, INCA, com apoio da Prefeitura Municipal de Parintins. “É uma grande festa da cultura parintinense e vamos sempre defender o talento, a criatividade, a diversidade e a arte desta terra”, afirma o coordenador do Grito, Marcos Moura.

Danças Urbanas

Na primeira noite o destaque foi o concurso de dança livre com vitória do grupo Danças Urbanas, apresentando a coreografia “Desejo de Catirina”, uma versão em hip-hop do tradicional auto do boi.

Na segunda noite o ápice da festa foram as batalhas de b-boys, b-girls e o 3×3 de break da cultura hip-hop. A b-girl Estrela (campeã venezuelana) sagrou-se a vitoriosa no duelo feminino. Ela se prepara para se apresentar na Índia. Na batalha Break 3×3 vitória do trio formado por uma manauara e dois bahianos (b-boy Adam, b-boy Manga e b-girl Lany).

As batalhas tiveram participação de jurados renomados do mundo hip-hop como o coreógrafo e líder do grupo Holograma, Fernando Castelo Branco (Manaus); a b-girl e bailarina do Balé Experimental da Companhia de Dança do Amazonas, Beatriz Gonçalves e a bailarina e b-girl Louise Pascarelle com ampla experiência na dança. “Pessoal aqui mandou muito bem e fez um grande evento”, destacou a b-girl Beatriz Gonçalves.

Exposições

O evento contou ainda com exposições de artes, desenho, pintura, gravuras. A exposição foi um resultado da oficina de Pintura ministrada pelo experiente artista parintinense Evanil Maciel, com colaboração da Associação dos Artes/Educadores de Parintins.

No Grito aconteceu também o lançamento da primeira revista em quadrinhos de Parintins “Caturama e a Ilha dos Mistérios”, uma produção parintinense do grupo Buriti.

Artistas e bandas

Bandas locais e regionais também estiveram na diversidade do palco do Grito da Periferia. Eles aproveitaram o espaço para mostrar o trabalho produzido no silêncio da periferia. Manaus participou com a banda Os Tucumanus, conhecida pelo regional experimental no seu repertório, trouxe novidade para o show.

De Parintins a banda Kohva mostrou a força do rock e do metal. A banda Xavant’s destacou o hip-hop. Eles são os autores da música tema do Grito da Periferia 2019. O mesclado repertório musical do grupo Ajuri também fez parte do evento.

O Grito da Periferia 2019 iniciou em 2005 com seis edições consecutivas. Após oito anos parado, o Grito retoma sua sétima edição e se consolida no calendário cultural de Parintins. “Vamos incentivar a realização desse evento tão importante para a cultura de Parintins”, disse o prefeito Frank Bi Garcia. Devido o grande sucesso, uma nova edição desta festa vai acontecer em novembro com foco na cultura local.

Texto: Eldiney Alcântara
Foto: Nandes Silva/Victor Nascimento